sábado, 4 de maio de 2013

Saga por um orientador- Parte I

Esses dias eu recebi um email de um visitante elogiando a página aqui do Sublime Biologia, entre outras coisas ele comentou que era uma pena o blog estar desativado. Então, pensando em aproveitar melhor o tempo livre que eu tenho, resolvi compartilhar com vocês minha saga em busca de um Orientador.
Para quem acompanhou a criação desse blog, deve se lembrar que eu o construí ainda durante o período da graduação, no início o blog tinha a intenção de discutir ou apenas informar temas que estivessem relacionados a Biologia da Conservação, com o tempo os assuntos foram ficando mais variados e a ideia inicial transformou-se em um "Bioloblog". 
Terminei a graduação, passei num Programa de Mestrado, concluí um projeto relacionado a estresse oxidativo e doenças degenerativas, publiquei um artigo, dei aulas de biologia e química numa escola pública e então, finalmente arrumei um emprego. 
É claro que entre eu concluir a graduação e arrumar um emprego, três longos e intermináveis anos de estudo, sofrimento e muita dedicação permearam meus dias e noites até chegarmos aqui (dia 04/maio/2013)  no ponto onde eu começo a transformar novamente a cara desse blog.
Para resumo dessa ópera, eu dediquei 6 anos da minha vida ao estudo da Patologia Renal e hoje eu trabalho no Laboratório de Imunologia de Transplantes com adivinha o que? Com RINS!!!
Para algumas pessoas ser bem sucedido na vida é uma tarefa fácil, mas para pessoas como eu é praticamente impossível sem dedicação, estudo e paciência.
Eu tenho o emprego dos sonhos de muita gente, eu não sou uma bióloga ryca (existe isso?) mas eu trabalho com o que eu gosto, ganho "relativamente" bem, tenho bons colegas de trabalho, estudo diariamente e tenho tempo livre para sair, me divertir e me aventurar num relacionamento amoroso desastroso com a mesma pessoa de sempre.
Eu poderia estar satisfeita com isso, mas eu sinto falta de algo a mais, e esse algo a mais tem nome e chama-se Doutorado.
O problema é que eu não quero simplesmente um título, eu quero ganhar o Nobel de Medicina no estudo de Insuficiência Renal. Mas para isso eu preciso sair em busca de um Orientador, um Mestre dos Magos!
O Brasil oferece através do Programa Ciência sem Fronteiras uma oportunidade de jovens pesquisadores conhecerem grandes centros de pesquisa fora do nosso país e em troca trazer conhecimento e tecnologia ao desenvolvimento nacional.
Seria perfeito se fosse mais simples, para por em prática essa "ferramenta" do nosso governo é necessário em primeiríssimo lugar um termo de um aceite assinado por um orientador, aceitando o projeto e o pesquisador como aluno.
E aí meus amigos é que começa a minha sina.
No próximo capítulo dessa história, eu vou contar como foi, ou melhor como está sendo a primeira fase dessa busca: A REJEIÇÃO!
Beijos e até o próximo post.